Book Club | “Korea: The Impossible Country”

koreatheimpossibleO livro de Daniel Tudor –  “Korea: The Impossible Country” – conta a história de um país que tinha muito para dar errado mas acabou numa das mais impressionantes histórias de desenvolvimento económico e progresso social da era moderna.

Daniel Tudor, é britânico e correspondente da The Economist na Coreia do Sul e de forma magistral percorre a história coreana, visitando a “alma” da nação, o seu passado de nação frágil submetida ao domínio dos vizinhos gigantes China e Japão, a sua relação com a religião e com misticismo e o compromisso nacional com a educação de qualidade. Tudor aborda ainda como a segunda guerra mundial dividiu o país, propiciou a guerra civil que culminou com a intervenção das potências mundiais. A derrota do Japão na segunda grande guerra levou à divisão da península em dois países distintos: a norte a República Popular Democrática da Coreia que de democrática não tem nada e parece inspirar-se na Oceania do clássico “1984” de George Orwell e a sul a República da Coreia, comummente chamada de Coreia do Sul.

A Coreia do Sul dos primeiros anos pós-divisão viu a liderança alternar entre diferentes líderes autoritários como Syngman Rhee e Chang Myon apesar da presença e apoio dos Estados Unidos que administraram o país entre 1945 e 1948. Contudo, o país mostrou-se desde o início comprometido com o desenvolvimento e procurou usar da melhor forma o seu principal activo: as pessoas. Ainda sob liderança autoritária de Park Chung-hee, que tomou o poder em 1961, a Coreia do Sul começou a dar passos mais decisivos. A boa base de formação aliada à um conjunto de políticas orientadas para o mercado (com forte pendor exportador) deu sustentação ao milagre coreano cujos progressos anos mais tarde foram igualmente sentidos a nível dos direitos civis dos cidadãos, sendo que a Coreia do Sul de hoje não só é um dos países mais ricos da Ásia (e do mundo) como é uma democracia liberal.

Daniel Tudor apresenta também no seu livro algumas questões que se apresentam como desafios para a Coreia nos próximos anos a nível político (como a relação com a vizinha Coreia do Norte) e a nível económico (o domínio exercido sobre a economia pelos grandes conglomerados – chaebol – como a Samsung e Hyundai). Contudo, a principal lição que se retira do livro é o valor da educação de qualidade combinada com políticas orientadas para produção de bens e serviços competitivos a nível global. O início proteccionista da política comercial coreana deu espaço na década de 1980 à uma abordagem mais liberal de forma a melhorar a qualidade da produção local por via da concorrência externa e assim competir a nível global e os resultados estão à vista de todos pela presença de marcas coreanas no mundo tecnológico e nas indústrias automóvel e petrolífera.

A pequena economia rural dos anos 1950 sobreviveu à guerra, à tentativa de ocupação da Coreia do Norte, aos primeiros anos de governos autoritários falhados e conseguiu tornar-se num país industrializado e rico, quase totalmente urbanizado que é referência nas mais variadas áreas da vida social e económica como cinema, desporto, tecnologia, música, indústria pesada e tantos outros. A Coreia de 1950 era pobre e rural, com uma história de ocupação externa, guerras e humilhação como muitos países africanos que começaram a tonar-se independentes na década de 1960, mas as semelhanças partilhadas há cerca de 60 anos deram lugar à um contraste gritante a desfavor dos países africanos, a instabilidade política continuou a ser partilhada por muitos anos depois de 1960, apesar da economia coreana não ter parado de desenvolver-se quando em África o retrocesso económico virou norma.

As escolhas feitas e a correcção (ou não) de erros do passado traduziram-se na criação de ecossistemas socioeconómicos distintos na Coreia do Sul e na grande maioria dos países africanos como o nosso. Um ecossistema produziu riqueza e a partilhou e outro destruiu capacidade produtiva e andou aos solavancos a nível de progresso social, continuando hoje a alternar entre sinais encorajadores e a persistência nos erros do passado. O livro “Korea: The Impossible Country” tem valiosas lições para a construção de um país próspero e estável, sobretudo para encurtar caminhos e evitar dissabores.

O modelo Coreano continua a gerar riqueza e garante a manutenção do país na liga das nações mais ricas do mundo e o economista brasileiro Ricardo Amorim publicou há algum tempo um vídeo elucidativo no seu canal do YouTube que compara o seu Brasil ao país impossível: 

__________________________________________

Título: “Korea – The Impossible Country” | Autor: Daniel Tudor

Anúncios

Book Club | “The Tyranny of Experts: Economists, Dictators, and the Forgotten Rights of the Poor”

Durante o último século a pobreza global tem sido encarada como um “problema técnico” cuja solução passa pela implementação de práticas desenhadas e aplicadas por “especialistas”. No entanto, com mais frequência que o ideal, os ditos especialistas focam em recomendar soluções para problemas imediatos sem tocar nos factores políticos sistémicos que em primeira instância criaram as condições para expansão da pobreza. Ademais, infelizmente, a lógica do “especialista” leva-os muitas vezes ao conluio com autocratas, encobertos na falácia do “autocrata benevolente” mesmo que o regime desrespeite os mais básicos direitos dos pobres.

William Easterly que também é autor do best-seller “White Man’s Burden” volta a visitar os problemas do desenvolvimento económico em “The Tyranny of Experts” e traça a história da luta contra pobreza global, demonstrando que a abordagem dos especialistas não só ignorou os direitos dos pobres como reprimiu o debate sobre abordagens alternativas como muito se debateram John Bell Condliffe e Friedrich Hayek: o desenvolvimento em liberdade. A teoria defendida por Easterly em “The Tyranny of Experts” é suportada por uma pesquisa económica profunda e moderna, Easterly argumenta que apenas um novo modelo de desenvolvimento baseado no respeito pelos direitos individuais das pessoas em países em desenvolvimento, que entende que o poder do Estado sem limites é o problema e não a solução – será capaz de acabar com a pobreza global de forma eficaz.

O modelo de desenvolvimento que aposta no forte intervencionismo do estado e na limitação de liberdades individuais tem grandes custos sociais e apresenta grandes incertezas no médio-longo prazo. É uma aposta no incerto que na maior parte das vezes correu mal. Aliás, as “meninas bonitas” dos defensores do modelo dos especialistas – Singapura, Malásia, Taiwan, Coreia do Sul – apresentaram maior progresso económico e social quando produziram reformas que davam maior liberdade económica e política aos seus cidadãos.

Este livro é recomendável para quem tem interesse em questões de desenvolvimento e direitos individuais. O livro defende as sociedades livres e opõe-se à lógica do líder autocrático que concentra demasiados poderes às expensas das liberdades individuais dos cidadãos que governa.

Easterly defende que a liberdade gera sociedades mais equilibradas politicamente e economicamente mais produtivas uma vez que a criatividade floresce melhor em ambiente livre e, como defendeu Robert Sollow, o progresso tecnológico (inovação) é um factor decisivo no desenvolvimento.

Book Club | “The Frackers – The Outrageous Inside Story of the New Billionaire Wildcatters”

the frackersGregory Zuckerman é um daqueles autores com um talento especial para escrever a história como se de um romance se tratasse, o autor de “The Greatest Trade Ever”, livro que descreve a elaboração e execução da estratégia de John Paulson e seus colaboradores na maior transacção de sempre que tirou proveito do colapso do mercado imobiliário dos Estados Unidos, abraçou em “The Frackers” a história dos pioneiros da exploração de petróleo e gás para lá das rochas de xisto. Em boa verdade, o homem sabe há muitos anos da existência de hidrocarbonetos em “armadilhas” de rochas (o nome “petróleo” significa “óleo da pedra”) mas a insistência de um grupo de empreendedores americanos foi o primeiro capaz de explorar com sucesso comercial as riquezas abaixo das camadas de xisto.

“The Frackers” começa por contar a história de George Mitchell cuja empresa foi pioneira a usar a tecnologia de fracturação hidráulica das rochas (hydraulic fracturing) para exploração de gás na formação rochosa do Barnett no norte do Texas. A persistência de mais de uma década de Mitchell no aperfeiçoamento da tecnologia permitiu a revolução energética mais recente nos Estados Unidos com efeitos em todo o mundo.

Gregory Zuckerman não foca a sua narrativa apenas na tecnologia e nos efeitos económicos da revolução do shale gas mas também na personalidade das pessoas que levaram a cabo a revolução como Aubry McCLendon e Tom Ward da Chesapeake Energy; Harold Hamm da Continental Resources que protagonizou mais tarde o divórcio mais caro da história dos divórcios dos Estados Unidos; o imigrante libanês Charif Souki que abandonou o negócio da restauração para lançar-se num terminal de importação de LNG que com a abundância de produção americana foi convertido em terminal de exportação de LNG; Mark Papa que transformou a EOG Resources (antiga filial da falida Enron) num operador de referência depois de ter mantido em segredo o que tinham descoberto na formação rochosa de Eagle Ford no sul do Texas e Robert Hauptfuhrer da Oryx Energy.

O livro conta a história dos últimos 20 anos de exploração de petróleo e gás nos Estados Unidos que foram marcados por maior investimento da produção no exterior por parte das grandes empresas, uma vez que existiam várias restrições locais para aumento das zonas de exploração no offshore. Neste contexto, as empresas menores decidiram apostar em formas alternativas de aceder às riquezas no subsolo arriscando milhares de dólares em experiências tecnológicas que acabaram por revelar-se revolucionárias. As grandes empresas perderam corrida e tiveram que recorrer mais tarde às aquisições para terem acesso ao bolo do xisto cujo aumento da produção afectou a oferta mundial e ajuda a explicar a actual depressão do preço do petróleo que tem provocado grandes constipações deste lado do globo.

“The Frackers” é a todos níveis um livro obrigatório para quem quer familiarizar-se com o que está por trás da exploração de petróleo e gás em formações rochosas mas também ajuda-nos a perceber porquê que certas revoluções tecnológicas acontecem sobretudo nos Estados Unidos. Os americanos ao longo da sua história parecem ter conseguido criar o ecossistema perfeito para empreendedores, onde as grandes ideias encontram os financiadores, técnicos e protecção judicial para as suas arriscadas apostas no desconhecido.

Título: “The Frackers The Outrageous Inside Story of the New Billionaire Wildcatters” | Autor: Gregory Zuckerman